sexta-feira, 16 de outubro de 2015

O latim na nossa vida (VIII) (S a V)

Ver postagem anterior. O que estiver entre colchetes e em itálico é de minha responsabilidade.

Salus populi suprema lex esto -- "Que o bem-estar do povo seja a lei suprema". Máxima de Direito, constante da Lei das XII Tábuas (Cícero, Das Leis, III, 9).

Sanctum sanctorum -- "O santo dos santos". Equivalente latino do nome que os judeus davam à parte íntima do templo; emprega-se pra designar um lugar interditado aos profanos. "Bem-vindos, meus amigos! Estamos talvez mais à vontade no meu quarto de estudo! Por aqui! Há um degrau, cuidado! Eis o meu Sanctum Sanctorum!" Eça de Queiroz, O Primo Basílio, cap. VIII.

Sapienti sat! -- "Ao sábio, basta!", isto é, "A bom entendedor meia palavra basta"(Terêncio, Formião, III, 3, 8). 

Scribendi nullus finis -- "O escrever não tem fim", "Nunca falta o que escrever". Epígrafe do Quarto Livro das Fábulas de Fedro. Divisa da Academia Mineira de Letras. 

Secreto amicos admone, lauda palam -- "Admoesta os amigos em segredo, louva-os publicamente"(das Sentenças de Publílio Siro).

Secundo -- "Em segundo lugar".

Semper eadem -- "Sempre a mesma". Divisa da rainha Isabel, da Inglaterra.

Semper idem -- "Sempre o mesmo". 

Senatores boni viri, senatus autem mala bestia -- "Os senadores são boas pessoas, mas o Senado é uma fera má". Provérbio. 

Senatus Populusque Romanus -- "O Senado é o povo de Roma". Abreviatura: S.P.Q.R.. letras constantes dos estandartes romanos. [E em inúmeros monumentos antigos de Roma.]

Servatis servandis -- "Conservando o que deve ser conservado".

Sic -- "Assim". Palavra que se pospõe entre parênteses a uma citação para indicar que, por errado ou estranho que pareça, o texto original é bem assim mesmo.

Sic transit gloria mundi -- "Assim passa a glória deste mundo". Palavras tiradas da Imitação de Jesus Cristo (I, 3) que é costume pronunciar três vezes na cerimônia da posse dos papas recém-eleitos, para lembrar-lhes a vaidade das pompas deste mundo.

Si duo faciunt idem, non idem -- "Se dois fazem uma mesma coisa, não é a mesma coisa". Provérbio.

Si fecisti, nega -- "Se fizeste (isto é: se cometeste o crime de que te acusam), nega". Resumo irônico do costume que têm os malfeitores de negar os seus crimes.

Si fueris Romæ, Romano vivito more; si fueris alibi, vivito sicut ibi -- "Se estiveres em Roma, vive como romano; se alhures, vive como lá se vive". Variante: Cum fueris Romæ ... (Santo Ambrósio, Conselho a Santo Agostinho). [É o popular "Em Roma, faça como os romanos".]

Similia similibus curantur -- "Os semelhantes curam-se pelos semelhantes". Lema da escola homeopática, enunciado por Samuel Hahnemann no Organon da Medicina (1810). [Christian Friedrich Samuel Hahnemann (Meissen, Saxônia, 10 de Abril de 1755 - Paris, 2 de julho de 1843) foi o fundador da homeopatia em 1779.]

Sine cura -- "Sem preocupação". Aportuguesado em sinecura, no sentido de "emprego que (quase) não obriga a trabalho"; "prebenda".

Sine die -- "Sem dia marcado", isto é, sem fixar nova data.

Sine ira et studio -- "Sem cólera nem parcialidade". Era assim que Tácito se propunha a escrever a História, segundo declara no começo dos Anais.

Sine qua non -- Ver Conditio sine qua non.

Sinite parvulos venire ad me -- "Deixai vir a mim os pequeninos". Palavras de Jesus aos discípulos quando eles tentavam impedir que trouxessem crianças à sua presença (Evangelho de São Marcos, 10, 14, na tradução da Vulgata). 

Sint ut sunt, aut non sint -- "Sejam o que são, ou não sejam", isto é, "deixem de existir". Resposta intransigente do Padre Lorenzo Ricci, geral dos jesuítas, que ele haveria dado ao Papa Clemente XIV, que lhe pedira uma reforma dos estatutos da Companhia de Jesus; teria sido a causa da supressão desta, em 1773. [Supressão dos Jesuítas em Portugal, na França, nas Duas Sicílias, em Parma e no Império Espanhol em 1767 foi resultado de uma série de movimentos políticos, em vez de uma controvérsia teológica.  No breve papal Dominus ac Redemptor (21 de julho de 1773) , o Papa Clemente XIV, incitado por Carlos III (Rei da Espanha) , suprimiu a Companhia de Jesus. No entanto, em países não-católicos, principalmente na Prússia e na Rússia, onde a autoridade papal não era reconhecida, a ordem foi ignorada. O grupo erudito jesuíta Companhia dos Bolandistas mudou de Bruxelas para Antuérpia, onde continuou seu trabalho no mosteiro de Coudenberg; em 1788, a Sociedade Bolandista foi suprimida pelo governo austríaco dos Países Baixos.]

Si tacuisses philosophus mansisses -- "Se tivesses ficado calado, terias continuado filósofo". Palavras de Boécio (Consolação da Filosofia, Livro II, 17), citadas para dizer que o interlocutor perdeu uma boa ocasião de calar-se. [Anício Mânlio Torquato Severino Boécio (em latimAnicius Manlius Torquatus Severinus BoethiusRoma, ca. 480 — Pavia524 ou 525), mais conhecido simplesmente por Boécio, foi um filósofoestadista e teólogo romano que se notabilizou pela sua tradução e comentário do Isagoge de Porfírio, obra que se transformou num dos textos mais influentes da Filosofia medieval europeia. Traduziu, comentou ou resumiu, entre outras obras dos clássicos gregos, para além do Isagoge de Porfírio e do Organon de Aristóteles, vários tratados sobre matemáticalógica e teologia. Notabilizou-se também como um dos teóricos da música da antiguidade clássica greco-latina, escrevendo a obra De institutione musica, também aparentemente com base em antigos escritos gregos. Sendo senador de Roma, no ano de 510 foi nomeado cônsul e em 520 foi elevado a chefe do governo e dos serviços da corte pelo rei ostrogodo Teodorico, o Grande. Pouco depois, devido a desacordos políticos e por ter apoiado um senador apontado pelo rei como traidor, foi ele próprio acusado de traição a favor do Império Bizantino e de magia, sendo subsequentemente torturado, condenado à morte e executado. Enquanto aguardava sob prisão a execução, escreveu De Consolatione Philosophiae (Do Consolo pela Filosofia), obra que versa, entre outros temas, o conceito de eternidade e na qual tenta demonstrar que a procura da sabedoria e do amor de Deus é a verdadeira fonte da felicidade humana. Membro de uma família ligada ao então nascente cristianismo, é considerado pela Igreja Católica Romana, pelo seu contributo para a teologia cristã e pelos serviços que prestou aos cristãos, um mártir e um dos Padres da Igreja.]

Sit venia verbo -- "Desculpe a expressão", "Com perdão da palavra".

Si vis amari, ama -- "Se quiseres ser amado, ama"(Sêneca, O Filósofo, Epístola IX, 6).

Si vis pacem, para bellum -- "Se queres a paz, prepara-te para a guerra". Ditado baseado numa frase de Vegécio (séc. IV d.C.): Qui desiderat pacem, praeparet bellum, "Quem deseja a paz, prepare a guerra" (Tratado de Arte Militar, III, Prólogo). [Públio Flávio Vegécio Renato (em latimPublius Flavius Vegetius Renatus), Vegécio, foi um escritor do Império Romano do século IV. Apenas se conhece da sua biografia a breve informação que relata ele próprio. Vegécio não se identifica como militar, mas como "vir illustris comes" (homem ilustre e conde) termos que, no latim da época, assinalam-no como um personagem próximo do imperador de Roma. O cognome Renato sugestiona que abraçou o cristianismo na idade adulta. Apenas são conhecidas datas da sua vida, salvo pelas referências históricas da sua própria obra: no seu "Epitoma rei militaris" alude ao imperador Graciano como deificado, o que situa a obra como posterior à morte deste em 383; uma anotação de Flávio Eutrópio, um escreva de Constantinopla, sobre um dos seus manuscritos já publicados, remonta a 450. Vegécio dedicou as suas obras ao imperador reinante na época, mas não especifica quem era este exatamente; uns estudiosos sugestionam que Teodósio I, a hipótese mais provável, e outros que Valentiniano III.]

Sol lucet omnibus -- "O sol brilha para todos", "O sol nasceu para todos". Todos têm de gozar de oportunidades iguais.

Sponte sua -- "Por iniciativa própria".

Stricto sensu -- "Em sentido restrito". Antônimo: lato sensu.

Stultorum infinitus est numerus -- "É infinito o número de tolos" (Ecclesiastes, I, 15, na tradução da Vulgata).

Suæ quisque fortunæ faber est -- "Cada qual é obreiro de sua fortuna". Provérbio.

Sub judice -- "Em julgamento", isto é, "Sob apreciação do juiz".

Sui generis -- "De seu próprio gênero". Diz-se de pessoa ou coisa peculiar, que não apresenta semelhança com ninguém ou nada.

Summa cum laude -- "Com máximo louvor". Grau nos exames de doutoramento.

Superavit -- "(O que) sobrou". Em geral designa a diferença a mais entre a receita e a despesa. Já aportuguesada em superávit. Antônimo: déficit.

Supra -- "Acima". Termo de Bibliografia para indicar trecho da mesma página, mais acima, ou de páginas anteriores. Ver: Infra.

Sursum corda -- "Ao alto os corações". Palavras da missa que precedem a elevação. Citadas como exortação a sentimentos elevados.

***********

Tabula rasa -- "Tabuinha lisa", "Tábua rasa". Em Filosofia, no empirismo mais radical, estado de indeterminação completa, de vazio total, que caracteriza a mente antes de qualquer experiência.

Tantæne animis cælestibus iræ! -- "Tanto pode caber de ira no coração dos deuses!" Palavras de Virgílio ao comentar a cólera de Juno, inimiga dos troianos (Eneida, Livro I, 11). 

Tarde venientibus ossa -- "Aos que chegam tarde (à mesa, dão-se) os ossos". Provérbio.

Tertio -- "Em terceiro lugar".

Timidus vocat se cautum, avarus parcum -- "O tímido se diz precavido, o avarento parcimonioso" (das Sentenças de Publílio Siro).

***********

Ubi bene, ibi patria -- "Onde (me sinto) bem, minha pátria é aí". Ditado baseado num trecho de Cícero (Discussões Tusculanas, V, 37); lema do cosmopolitismo.

Ultima ratio regum -- "O último argumento dos reis". Lema inscrito nos canhões de Luís XV, da França, que a Assembleia Nacional mandou apagar em 1796.

Una hirundo non efficit ver -- "Uma andorinha não faz primavera", "Uma andorinha não faz verão". Provérbio (Erasmo, Adágios).

Urbi et orbi -- "À Urbe (= Roma) e ao mundo". Palavras da bênção do Soberano Pontífice, para indicar que ela se estende a todo o universo.

Uti, non abuti -- "Usar, não abusar". 

Uti possedetis -- "Como possuis (agora)". Expressão diplomática usada em tratados de paz; o oposto de In statu quo. [i) Em Direito Internacional, a doutrina segundo a qual as fronteiras administrativas tornar-se-ão fronteiras internacionais quando uma subdivisão política ou colônia adquire independência. - ii) No Direito Romano, um interdito determinando a cada parte em processo legal que mantenha a posse de um bem imóvel como estiver, pendente de uma decisão oficial sobre quem tem a posse da propriedade. - iii) A doutrina pela qual propriedade pessoal capturada em tempo de guerra e ainda retida pelo capturador tornar-se-á propriedade legal deste quando a guerra terminar. (Garner, Black's Law Dictionary, West Thompson Reuters, 2009).]

**********

Vade mecum -- "Vem comigo". Nome que se dá a livrinho portátil de conteúdo prático. Existe a forma aportuguesada vademécum. O primeiro livro que ostentava esse título era o Vade mecum sive epigrammatum novorum centuriæ duæ ("V.m. ou duas centenas de novos epigramas") de Johann Peter Lotichius (1625).

Vade retro! -- "Sai da minha frente!"ou "retira-te!". Palavras com que Jesus repele São Pedro quando este o censura por anunciar a própria condenação e morte (São Marcos, 8, 33, na tradução da Vulgata).

Vade Satana! -- "Vai-te, Satanás". Palavras de Jesus ao Diabo (São Mateus, 4, 10, na tradução da Vulgata).

Væ victis! -- "Ai dos vencidos!". Palavras de Breno, general gaulês (Tito Lívio, História Romana, V. 48, 9), pronunciadas em 390 a.C. em Roma, ao atirar a espada no prato da balança em que estavam os pesos com que se devia pesar o ouro do resgate dos romanos, e que eram falsos, tendo estes protestado contra o abuso. Citam-se para lembrar que o vencido está à mercê do vencedor.Título de um soneto pessimista de Raimundo Correia (em que o vencedor é Deus e o vencido o homem).

Veni, vidi, vinci -- "Vim, vi, venci". Palavras com que Júlio César anunciou em carta a um amigo a sua vitória sobre Fárnaces, em Zela, no Ponto (em 2 de agosto de 47 a.C.), citadas, entre outras, por Suetônio (Vida de Júlio César, 37). [Fárnaces II do Ponto (em língua grega antiga: Φαρνάκης) (97 a.C. — 47 a.C.) era filho bastardo de Mitrídates VI do Ponto Eupator, a quem sucedeu na chefia do Reino do Ponto. Graças às campanhas que levou a cabo junto com seu pai contra a República Romana, conseguiu grandes conhecimentos sobre as legiões (Quinto Sertório enviou um grupo de centuriões para treinar as tropas do Ponto como as legiões de Roma). Em 63 a.C., Fárnaces mata seu próprio pai, Mitrídates VI do Ponto e recebe, como prêmio, o reino do Bósforo. Pactuou com Roma a paz, para reorganizar os seus exércitos, mas rompeu-a em 47 a.C.. Foi derrotado na Batalha de Zela por Júlio César, que reuniu as suas tropas entre as guarnições das províncias asiáticas que Roma detinha.]

Verbatim -- "Palavra por palavra". O mesmo que ipsis litteris.

Verba volant, scripta manent -- "As palavras voam, a escrita fica". Provérbio.

Verbi gratia -- "Por exemplo". 

Versus -- "Contra".

Veto -- "Proíbo", "impeço". Usado como substantivo, significa "veto", "proibição", "protesto".

Via crucis -- "O caminho da cruz". [ É o trajeto seguido por Jesus carregando a cruz, que vai do Pretório até o Calvário. O exercício da via-sacra, como também é chamada, consiste em que os fiéis percorram, mentalmente, a caminhada de Jesus a carregar a Cruz desde o Pretório de Pilatos até o monte Calvário, meditando simultaneamente à Paixão de Cristo.]

Via crucis, via lucis -- "O caminho da cruz (é) o caminho da luz". Ditado medieval.

Vice versa -- "Em sentido oposto", "ao contrário"ou "reciprocamente". Aportuguesado, escreve-se vice-versa.

Vinces scis, Annibal, victoria uti nescis -- "Sabes vencer, Aníbal; o que não sabes é aproveitar a vitória". Palavras de Maharbal, capitão de Aníbal, a este, após a grande vitória alcançada em Canes sobre os romanos em 216 a.C. Em vez de perseguir os vencidos, como lhe aconselhara Maharbal, o general concedeu descanso a seus soldados; foi essa demora que salvou Roma e o seu império, na opinião de Tito Lívio, que relata o episódio (História Romana, Livro XXIII).

Vixit -- "Viveu", isto é, "Está morto, "Já não vive". Eufemismo usado pelos romanos paraq anunciar a morte de alguém.

Vox clamantis in deserto -- "A voz daquele que clama no deserto" (S. João 1,23, na tradução da Vulgata). Cita-se em relação a pessoa cuja pregação não é ouvida. [Usa-se hoje "pregar no deserto", com idêntico sentido.]

Vox populi, vox Dei -- "Voz do povo, voz de Deus". (Alevino, Epístola a Carlos Magno).

Vulgo -- "Comumente". Aportuguesado, usa-se também como substantivo, no sentido de "povo, "ralé".



3 comentários:

  1. Muito bom, Vasco!
    Abraços,

    ResponderExcluir
  2. Tito livio Barbosa19 de outubro de 2015 11:17

    Prezado Vasco, faltou incluir a célebre "per omnia secula seculorom"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa expressão foi incluída na seção VI da série (P a Q).

      Excluir