quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

AMORAL, AÉTICO, OPORTUNISTA, PELINTRA E CAPADÓCIO, RENAN CALHEIROS TENTA VOTAR NA MARRA O PROJETO ANTICORRUPÇÃO DESFIGURADO ONTEM NA CÂMARA DOS DEPUTADOS E RECEBE O REPÚDIO DO PLENÁRIO DO SENADO

[Renan Calheiros se considera o Zeus do Olimpo tupiniquim, coloca sempre e prioritariamente seus interesses pessoais em prevalência contra os interesses do país e fica "irritado" quando contrariado em sua manobras de autodefesa contra a cada vez mais iminente ameaça de punição da Justiça por conta de seu respeitável acervo de desvios e malfeitos. Está nervoso, porque hoje poderá tornar-se réu formal em um dos 12 processos que contra ele tramitam naquela corte. 

Essa figura absolutamente abjeta comanda a chamada Câmara Alta do Congresso Nacional, tem inequívoca e absurda influência sobre o presidente Michel Temer e exerce seu cargo ao sabor de seu fígado -- e seu cérebro não perde tempo com moralidades e decências. Anteontem, num raro gesto de autenticidade e de confissão pública, Renan disse que o sistema político brasileiro está "falido e fedido". Disse-o de cadeira: ninguém mais do que ele tem contribuído para a falência e a fedentina desse sistema.

O que estiver entre colchetes e em itálico no texto abaixo é de minha responsabilidade.]

Senadores rejeitam urgência para votar para votar pacote anticorrupção

O Globo, 30/11/2016

Requerimento provoca forte protesto entre parlamentares contrários às modificações feitas em texto pela Câmara



                   O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) - (Foto: Roque de Sá/Agência                                                                                                                           Senado)


BRASÍLIA - Por 44 votos a 14, o plenário do Senado rejeitou pedido de urgência para votação do pacote anticorrupção na Casa. O requerimento assinado por líderes das bancadas do PMDB, PSD e PTC foi anunciado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que chegou a colocá-lo em discussão antes de o documento ser inserido no sistema da Casa.

Durante as discussões, se colocaram contra a votação as bancadas do PSDB, DEM, PDT e PPS. Os demais partidos não se posicionaram publicamente. 

Em meio às reações acaloradas, Renan orientou para que dois senadores fossem à tribuna para falar contra o requerimento e dois para falar a favor. Apenas aqueles que foram contra se pronunciaram. Nenhum senador a favor subiu à tribuna.

Com a palavra, o líder do governo, Aloysio Nunes (PSDB-SP), ressaltou a necessidade de ter mais tempo para discutir a polêmica proposta aprovada horas antes pelos deputados. “Sou contra essa matéria. “Ela foi aprovada na madrugada de ontem (desta quarta-feira) e a maioria dos senadores não a conhece. Não nos coloquem na contra mão da opinão pública. Não quero que essa matéria chegue na mesa do presidente Temer para vetar ou apoiar”, afirmou.

O líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO), também criticou a tentativa de se votar o requerimento que tiraria a possibilidade de o tema ser discutido pelos senadores nas comissões temáticas. “Pelo que consta, não houve oportunidade sequer de chegar a mim esse requerimento e, como líder do Democratas, formulo a questão à Mesa para poder esclarecer o fato, já que toda matéria que vem da Câmara dos Deputados deve ser encaminhada à Comissão de Constituição e Justiça”, afirmou o líder.

Bastidores. Segundo interlocutores, o presidente do Senado decidiu colocar o projeto das 10 medidas anticorrupção com urgência na ordem do dia porque ficou "irritado" com as ameaças dos coordenadores da Lava Jato. A articulação foi feita nesta no gabinete de Renan. Entre os participantes do encontro estavam o líder do PMDB, Eunício Oliveira (CE), o líder do PSDB, Aécio Neves (MG) e o senador Roberto Requião (PMDB-PR), que deve ser designado como relator da proposta no plenário. Requião também é o relator do projeto que atualiza a lei de abuso de autoridade, amplamente defendido por Renan.

O líder do governo, senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), também teria participado da reunião, mas saiu muito irritado ao saber do acordo que estava sendo costurado. Ele teria afirmado que não concordava com a decisão. Mais cedo, disse em plenário que não permitirá que a proposta seja aprovada no Senado e que vai "se bater contra isso".

A assessoria de imprensa de Aécio Neves nega que ele tenha se encontrado com Renan hoje. [Esse líder do PSDB, Aécio Neves, de tucano quer virar camaleão -- volta e meia diz que não esteve onde um monte de gente o viu estar. Um camaleão mentiroso?]


 

3 comentários:

  1. Alfredo Massaranduba1 de dezembro de 2016 07:22

    O doutor Jose Renan de Vasconcelos Calheiros tem no SFT 12 (DOZE) bons motivos para nao afrontar a Justiça. Mas afronta. Acorda dona Carmen!

    ResponderExcluir
  2. Vamos aguardar o julgamento do sr. josé Calheiros (minúsculo mesmo) pelo STF. Depois de tantas MARACUTAIAS, veremos os que têm caráter...

    ResponderExcluir
  3. Recebido por email de Uriel Villas Boas:

    Não dá para ficar parado. É preciso apertar esses "gênios" nas suas bases eleitorais.Com urgncia e em conjunto.,
    Uriel

    ResponderExcluir